Perdão, Leonard Peacock - Matthew Quick.

Título: Perdão, Leonard Peacock.
Original: Forgive me, Leonard Peacock.
Autor: Matthew Quick.
Editora: Intrínseca.
Nota: 3/5.
Resenha por: Ju (a irmã).

Hoje é o aniversário de Leonard Peacock. Também é o dia em que ele saiu de casa com uma arma na mochila. Porque é hoje que ele vai matar o ex-melhor amigo e depois se suicidar com a P-38 que foi do avô, a pistola do Reich. Mas antes ele quer encontrar e se despedir das quatro pessoas mais importantes de sua vida: Walt, o vizinho obcecado por filmes de Humphrey Bogart; Baback, que estuda na mesma escola que ele e é um virtuose do violino; Lauren, a garota cristã de quem ele gosta, e Herr Silverman, o professor que está agora ensinando à turma sobre o Holocausto. Encontro após encontro, conversando com cada uma dessas pessoas, o jovem ao poucos revela seus segredos, mas o relógio não para: até o fim do dia Leonard estará morto.  (SKOOB)

É aniversário de Leonard Peacock e também, é o dia em que ele irá assassinar o seu ex-melhor amigo e depois se matar, usando a P-38 que seu avô usou para matar um nazista na Segunda Guerra Mundial. Leonard nunca foi um menino “normal”, se assim podemos dizer. Ele não acredita que ser diferente é normal e que por consequência pode ser importante em um futuro próximo.

A história toda consiste em alguns flashbacks e decorre em apenas um dia, aniversário do Leonard. Capitulo por capitulo, você vai entendendo o porquê do protagonista querer assassinar o seu ex-melhor amigo e muitas outras coisas. Confesso que até a metade do livro eu não estava entendendo o ponto em que ele queria chegar, mas foi bem surpreendente no final das contas.

O romance em si não teve muita importância para mim. Eu me foquei mais no personagem principal e o objetivo dele desde o começo do livro. O romance não me comoveu e eu achei que não houve realmente um. De fato, teve uma história em que Leonard conta sobre ele e a Lauren – vulgo “namoradinha” –, mas não foi como se tivesse muita importância na história.

A mãe do personagem, Linda (se eu não me engano), não é uma das melhores também. Alguém que esquece o aniversário do próprio filho e ainda nem da importância alguma para ele, para mim é uma má personagem (ou má mãe). O seu vizinho, Walt, que é um senhorzinho que passa seu tempo fumando e assistindo filmes antigos, foi o melhor personagem para mim. A amizade de Leonard com o seu vizinho é uma das coisas mais legais que tem no livro. Apesar da diferença de idades entre os dois, é bem legal ver os dois tendo uma relação tão legal. Ele também tem uma amizade muito bacana com seu professor de Holocausto, Herr Silverman, que ajuda o personagem desde o começo da história. Com certeza, um dos melhores no livro. O ‘meio’ amigo que Leonard achou na escola, Baback, é chato. Não gostei dele. Fim.

O nosso personagem principal, de quem já falamos, Leonard Peacock, não é um garoto ruim, ele só precisava encontrar a si mesmo, reconstruir seus valores e aprender que tomar escolhas são difíceis. E que em parte dos casos ele foi a vítima de seu ex-amigo, Asher Beal, e agora quer revidar aquilo da pior forma possível.

O autor, Matthew Quick, deixa muito explícito os pensamentos do personagem, que são um tanto quanto estranhos. O personagem passa por poucas e boas no livro, e eu acredito que seja por isso que ele esteja tão determinado e esclarecido consigo mesmo de que ele tem de realizar seu plano.

A história deixa uma mensagem muito legal que é sobre as escolhas que temos de fazer todos os dias, mas não é por uma fase ruim que você precisa dificultar mais ainda com as opções. Apesar de não ter gostado tanto quanto eu achei que iria, o livro é legal e mostra a realidade de um jovem diferente que precisa de algo ou alguém para se apoiar nas horas difíceis.

A trilha sonora para esse livro foi difícil, mas eu cheguei a conclusão de que seria a musica do “Queens of the Stone Age - The Vampyre of Time and Memory”. Espero que tenham gostado. Até a próxima resenha.



11 comentários:

Gabriela Morgante disse...

Eu quis ler esse livro desde que ouvi a sinopse pela primeira vez em um evento da Intrínseca. Li muitas resenhas neutras, a nota no Skoob não é lá essas coisas, mas mesmo assim continuo querendo ler porque "simpatizei" com o drama da história e quero a escolha do protagonista! hahaha

Beijos,

Gabi
Mundo Platônico

Angela Graziela disse...

Já li algumas resenhas desse livro
E a sua está muito boa
Mas não é o tipo de leitura que me chama atenção

Beijos
http://pocketlibro.blogspot.com.br

Girlene Viey disse...

Este livro parece ser incrivel!
Muito surpreendente
e inspirador! Como não amar uma lindeza desta??

David Galan disse...

Como disse em outra resenha acredito que tem o momento certo para se ler certos livros, demorei bastante para ler esse livro e quando o fiz não consigo descrever o quanto gostei de verdade, me apeguei a Leonard e a seus pensamentos, a cada página ficava mais ansioso para saber o motivo real de sua obsessão pelo suicídio e se ele conseguiria o concretizar.
Herr Silverman foi um dos melhores personagens de todo o livro, além de professor sendo amigo mesmo do garoto, as cartas para o futuro também achei bacana, um elemento bem divertido, nos últimos capítulos fiquei meio que sem reação ao descobrir tudo o que aconteceu com ele.
Enfim, gostei e gostei muito desse livro, foi um melhores que li esse ano, uma pena que você não tenha gostado tanto.

Carol Cristina disse...

Oi Ju, tudo bem?
Ainda não li nada do Quick, e esse livro parece ser bem tenso, viu?
E acho tbm que esse autor gosta de personagens estranhos kkk
Gostei muito da sua resenha e de saber mais detalhes sobre a história.
Beijos
http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

Sil disse...

Quero muito ler esse livro por causa do autor. Me apaixonei por ele em O lado bom da vida. Gosto muito de livros com esse tema. E precisamos ler, para ser lembrado de que nossas ações tem consequências, as vezes esquecemos disso.

Blog Prefácio

Desbravadores de Livros disse...

Já tinha visto a capa desse livro e me interessado por ela, mas nunca tinha lido nada mais aprofundado sobre a obra.
Acho que a mente do protagonista deve ser bem perturbada e eu gosto disso. Certamente daria uma chance a leitura.

M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de outubro

Karine Marinho disse...

Essa não é a primeira resenha de alguém que leu o livro e não curtiu taanto assim que eu leio. O que é bem chato considerando que na época do lançamento eu estava suuuuper ansiosa por ele. :/
Pelo menos, vocês me arrancam de uma possível decepção literária. HAHA
Beijos,K.
Girl Spoiled
http://girlspoiled.blogspot.com.br/

Raquel Machado disse...

Oi Juliana,
Gostei da dica porém com o final do ano chegando minha lista esta mega apertada...rsrs. acho que somente ano que vem para eu adquirir novos livros agora. Tem um post especial lá no blog hoje se puder dar uma olhada e comentar.
Beijos
Raquel machado
Escritora Vingança Mortal
Leitura Kriativa
http://leiturakriativa.blogspot.com.br/2014/11/sessao-de-autografos-do-vinganca-mortal.html

The Lazy Girls disse...

Oi Juliana ;)
Eu estava me perguntando enquanto lia a resenha como a forma da Nessa resenhar estava diferente, dai vi o seu nome no fim rsrsrs (sou bem lerda)

Eu fiquei curiosa pelo livro, gosto de personagens principais intrigantes ;)

Tem post novo lá no blog!
Passa lá???
Desde já obrigada.

http://falleninme.blogspot.com.br

Criticando por aí - Caroline disse...

Vanessa, como vai?

Minha amiga leu este livro e adorou! Estou com muita vontade de lê-lo, pois sem que tem muita reflexão entre as suas páginas. Adoro livros assim!

Beijos,
Caroline, do criticandoporai.blogspot.com

 
Layout de Giovana Joris