Os Homens que Não Amavam as Mulheres - Stieg Larsson.

Título: Os Homens que não Amavam as Mulheres.
Original (sueco): Män som hatar kvinnor.
Autor: Stieg Larsson.
Editora: Companhia das Letras.
Nota: 4/5.

Primeiro volume de trilogia cult de mistério que se tornou fenômeno mundial de vendas, Os homens que não amavam as mulheres traz uma dupla irresistível de protagonistas-detetives: o jornalista Mikael Blomkvist e a genial e perturbada hacker Lisbeth Salander. Juntos eles desvelam uma trama verdadeiramente escabrosa envolvendo a elite sueca. Os homens que não amavam as mulheres é um enigma a portas fechadas - passa-se na circunvizinhança de uma ilha. Em 1966, Harriet Vanger, jovem herdeira de um império industrial, some sem deixar vestígios. No dia de seu desaparecimento, fechara-se o acesso à ilha onde ela e diversos membros de sua extensa família se encontravam. Desde então, a cada ano, Henrik Vanger, o veelho patriarca do clã, recebe uma flor emoldurada - o mesmo presente que Harriet lhe dava, até desaparecer. Ou ser morta. Pois Henrik está convencido de que ela foi assassinada. E que um Vanger a matou. Quase quarenta anos depois o industrial contrata o jornalista Mikael Blomkvist para conduzir uma investigação particular. Mikael, que acabara de ser condenado por difamação contra o financista Wennerström, preocupa-se com a crise de credibilidade que atinge sua revista, a Millennium. Henrik lhe oferece proteção para a Millennium e provas contra Wennerström, se o jornalista consentir em investigar o assassinato de Harriet. Mikael descobre que suas inquirições não são bem-vindas pela família Vanger. E que muitos querem vê-lo pelas costas. De preferência, morto. Com o auxílio de Lisbeth Salander, que conta com uma mente infatigável para a busca de dados - de preferência, os mais sórdidos -, ele logo percebe que a trilha de segredos e perversidades do clã industrial recua até muito antes do desaparecimento ou morte de Harriet. E segue até muito depois.... até um momento presente, desconfortavelmente presente. (SKOOB)

Emprestei esse livro da minha amiga há tanto tempo e só agora consegui ler. Coitada, ela sofre quando me empresta livros, mas eles sempre voltam inteiros, então isso compensa. Enfim, já comecei sabendo que seria uma leitura bem complicada, extensa e forte, porém mesmo assim o livro conseguiu me surpreender, sendo melhor do que eu esperava. Vamos à resenha.

O livro fala sobre Mikael Blomkvist, um jornalista da revista Millennium que foi acusado e declarado culpado de fazer falsas acusações contra um grande poderoso empresário. No começo do livro vemos já ele sendo acusado, depois nos esclarecendo como isso aconteceu e de onde vieram essas acusações que ele fez. Em paralelo, tem a trama da Lisbeth Salander, uma hacker que ‘trabalha’ em uma empresa de segurança. Ela é contratada para investigar Mikael por um poderoso homem, que depois o acaba contratando para investigar um caso de família. Uma família bem sinistra por sinal. É ai que no meio de tanta confusão, a história deles vão se entrelaçar para poderem descobrir um mistério ainda sem solução. Não quero revelar muita coisa, então é isso.

Gostei muito do livro. Já estava prevendo que iria gostar, mas não tanto assim. O livro é muito bem escrito, tem uma trama complexa e muito rica em detalhes, muitos nomes de pessoas e lugares pra você fixar na memória, confesso que no começo me perdia com tudo isso, principalmente em relação ao parentesco – mas tem um quadro no começo do livro pra ajudar, que bom. A narração é feita em terceira pessoa, permitindo que possa pular da parte do Mikael para as partes da Lisbeth, que são as melhores, sem muito drama. A escrita do autor é muito boa e ele não fica mascarando as cenas fortes, de violência, é tudo jogado na cara do leitor. Eu tive que fechar o livro e respirar fundo para tentar controlar o sentimento de raiva que eu tinha por aquilo ter acontecido. No começo de cada uma das partes do livro fala a porcentagem de mulheres que já foram agredidas, abusadas e ameaçadas na Suécia. Isso é uma coisa que vemos sempre no noticiário, as mulheres estão sendo vítimas de muitos casos assim. É difícil e ridículo tudo isso, eu nem vou começar a falar desse assunto senão a minha resenha ficará enorme, mas que fique aqui a minha indignação com tudo isso, principalmente em relação a impunidade em casos assim. Voltando ao livro, isso é abordado e tem duas cenas que mostram abusos e agressão. Não é um livro pra pessoas com estômago fraco, já vou avisando pra não dizerem que eu não avisei.

O livro é extenso, muitas coisas acontecem e em uma determinada parte começa a ficar mais lento, o que me deixou um pouco irritada. Não conseguiu perder toda a qualidade, porém desanimou um pouco a minha leitura. O desfecho do mistério todo é uma coisa de louco, não estava conseguindo assimilar tudo quando foi chegando ao final, é tudo muito cruel e horrível. Tem duas tramas o livro: a primeira é sobre um suposto assassinato que Mikael é chamado para investigar. O grande poderoso Henrik Vanger, um dos donos das empresas Vanger que são a toda poderosa do livro, o contrata para investigar o sumiço, e suposto assassinato, de sua sobrinha Harriet Vanger há quase quarenta anos e que ainda não foi solucionado. Assim, Mikael vai para a ilha onde ocorrer esse desaparecimento e começa a sua investigação sobre o caso, não sabendo no que poderia levar. Eu achava que ele nunca ia conseguir concluir esse caso, tava bem complicado no começo e já tinham se passado tantos anos que provavelmente os vestígios já tinham sido encobertos. Quando chegou ao final e revelou tudo o que tinha se passado, eu fiquei chocada com o tamanho da proporção de tudo isso, não achava que fosse qualquer coisa do tipo. Me surpreendeu.

A segunda parte é sobre o caso das acusações contra o empresário, que também vai ser resolvida em algum momento, senão não teria necessidade de aparecer no livro, obviamente. A Lisbeth tem participação fundamental em tudo isso, acho que provavelmente nada chegaria a uma conclusão completa se ela não tivesse se envolvido. Ela é, de longe, uma das melhores personagens que já tive a oportunidade de conhecer – em um livro, obviamente. Sempre tem alguma coisa se passando pela cabeça dela, não deixa nada barato pra ninguém que a menospreza, tem um comportamento difícil de lidar e tudo isso deixa ela ainda mais girl power. Adorei a personagem, simplesmente incrível. Livros precisam de mais protagonistas como ela, de verdade, ta difícil hoje em dia.

Resumindo: o livro é bem construído e desenvolvido, sendo bem extenso e com partes com apenas narrações, que pode deixar a leitura um pouco cansativa em algum momento, mas no final a leitura vale completamente à pena. Recomendo, claro, vá ler agora. Claro que tem bastante cenas explícitas, o autor não esconde ou mascara as coisas que vão acontecendo, e eu sempre acho isso fantástico – quando o autor consegue fazer de uma maneira boa, como foi o caso desse. É isso então, ainda tem mais dois livros dessa trilogia obviamente, já que esse é o primeiro Millennium e já estou ansiosa por eles, esperando que seja tão bom quanto esse primeiro. Fim.

10 comentários:

Samantha M. disse...

Oi, Vanessa!

Tenho a sensação de que eu sou a única pessoa do Universo que ainda não leu esse livro.. lembro de tê-lo comprado bem antes de falarem em filme, mas nunca li nem um capítulo... Uma pena, já que todos, assim como você, falam super bem dele.

Acho que vou colocar esse livro como meta para 2015. :P

Beijos,

Samantha Monteiro
http://www.wordinmybag.com.br/

Rízia Castro disse...

Perdi o time desse livro!
Já quis muito ler antes, mas agora não sinto a mesma vontade!
Fico feliz que gostou!
Adorei a dica
Beijinhos
Rizia - Livroterapias

Thales Soares disse...

esse livro parece ser muito bom mesmo. ótima resenha

criativare-leitura.blogspot.com.br

Hangover at 16 (contato) disse...

Já assisti o filme, gostei bastante, e já tinha imaginado que a escrita devia ser bem pesada e extensa, o que não o deixa de ser talvez até melhor que o filme!

xx Carol
Te indiquei pra uma tag, vem veer! http://caverna-literaria.blogspot.com.br/2014/12/tag-conhecendo-blogueira.html

Sofia disse...

Oi, Vanessa!
Essa trilogia parece arrasar, mas confesso que meu interesse é quase nulo. Mas admito que a premissa é muito curiosa. Bom saber que você gostou (ainda que não totalmente?)

Beijão

Carol Cristina disse...

Realmente parece ser um livro muito denso e complexo, sempre tive essa impressão. Nunca tinha lido uma resenha sobre ele, e tbm não vi o filme. Eu tenho curiosidade, mas um pouco de desanimo tbm, rs.
Ótima resenha!
Beijos!
http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com
// Sorteio de Natal rolando! //

Sil disse...

O meu tá emprestado também já tem uns seis meses hehehe. Eu amei essa trilogia. E posso te dizer que os outros livros são ainda melhores. Lisbeth é demais e nos outros a participação dela é bem maior. Apesar dos livros serem enormes, eles prendem e não conseguimos largar até terminar.

Blog Prefácio

Angela Graziela disse...

Já ouvi falar desse livros
As pessoas o elogiam bastante
Gostei da sua resenha
Já estou seguindo ;)

Beijos
http://pocketlibro.blogspot.com.br

Desbravadores de Livros disse...

Sempre tive muita curiosidade sobre esse livro porque é bem falado e por ser de um gênero que eu gosto. Com sua resenha pude entender mais a fundo a premissa e gostei. Acho que vou adorar a obra.
O fato de ter uma narração boa e muitos detalhes só me anima mais.

M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de dezembro

Helana Ohara disse...

Sou uma pessoa muito suspeita em falar de Millennium ♥ Lisbeth é minha diva de todos os tempo.
Gostei muito do livro. O segundo é ainda melhor e dá uma reviravolta incrível.

Beijinhos, Helana ♥
In The Sky, Blog / Facebook In The Sky

 
Layout de Giovana Joris