A Estrela que Nunca Vai se Apagar - Esther, Lori e Wayne Earl.

Título: A Estrela que Nunca Vai se Apagar.
Original: This Star Won’t Go Out.
Autores: Esther Earl; Lori e Wayne Earl.
Editora: Intrínseca.
Nota: 5/5 <3

"Ela me faz lembrar que uma vida curta também pode ser uma vida boa e rica, que é possível viver com depressão sem ser consumido por ela e que o sentido da vida está na união, na família e nas amizades que transcendem e sobrevivem a todo tipo de sofrimento." As palavras são do autor John Green, que era amigo de Esther e escreveu a introdução de A estrela que nunca vai se apagar. A amizade dele com a adolescente foi tão intensa que a história dela serviu de inspiração para o aclamado A culpa é das estelas, publicado pela Intrínseca em julho de 2012. Desde nova, Esther gostava de escrever cartas e diários, e, durante o tratamento contra o câncer, mantinha uma rede de amigos on-line - alguns deles membros da comunidade chamada Nerdfighteria, criada por John Green e seu irmão, Hank, em que jovens discutem sobre livros e ideias para tornar o mundo um lugar melhor. Os irmãos famosos postam regularmente vídeos no YouTube sobre assuntos variados, mas sempre pertinentes ao universo jovem. Quando estava muito debilitada, Esther realizou o desejo de passar um fim de semana na companhia dos amigos, e, com a ajuda da instituição sem fins lucrativos Make-A-Wish, ela, John e um grupo de adolescentes viveram momentos de descontração e emoção. O encontro aconteceu em Boston, em julho de 2010. Em agosto do mesmo ano, logo após seu 16º aniversário, Esther faleceu. (SKOOB)

Esse livro chegou aqui em casa numa quarta-feira e eu simplesmente o devorei quase todo no mesmo dia. Depois que terminei tentei expressar pra mim mesma (?) o que tinha sido essa leitura e não consegui achar as frases certas. Então, essa resenha pode estar totalmente sem nada a dizer, porque não tenho palavras boas e também não sou boa o suficiente com palavras o suficiente para mostrar o quanto esse livro é inspirador e lindo. Mas prometo tentar.

O livro é uma junção de páginas de diário, post em blogs, cartas e afins de Esther Earl, seus familiares e amigos. Se você não sabe, Esther foi diagnosticada com câncer de tireóide aos doze anos, falecendo ao completar dezesseis anos e foi a inspiração para John Green escrever A Culpa é das Estrelas. Nesse livro podemos ver mais sobre a luta dela contra o câncer e o quanto ela era uma pessoa maravilhosa, sempre tentando animar as pessoas ao seu redor. É isso que eu tenho a falar.

Ao terminar esse livro eu tive dois sentimentos tão diferentes: raiva e felicidade. Raiva porque o mundo é muito injusto, crianças que tem uma vida inteira para viver não merecem partir tão cedo. E felicidade porque mesmo em situações difíceis você sempre vai ter alguém com quem contar, amigos e familiares, eles nunca vão te deixar na mão e ao ver o quanto a família/amigos dela a ajudavam, eu fiquei feliz por ela ter sido tão amada. Faz sentido? Eu disse, essa resenha não vai fazer sentido, ainda estou tentando achar as palavras certas e tentando não chorar novamente ao lembrar do livro. Esse é o motivo pelo qual eu não gosto de ler biografias: não gosto de falar da vida de seres humanos de verdade (?).

A história da Esther é realmente inspiradora. Apesar de ter um câncer difícil de ser tratado, ela nunca se lamentava disso, ficava com raiva as vezes, mas nunca com mimimi isso, mimimi aquilo. Ela era radiante, alegrava as pessoas ao seu redor, também era mal humorada às vezes (porque afinal das contas ela era uma adolescente ainda) e adorava Harry Potter e Doctor Who. Foi nunca convenção de fãs de Harry Potter que ela conheceu o autor John Green, que fez uma introdução para esse livro que me deixou com lágrimas nos olhos. E foi por causa do Green e de todo o lance de nerdfighter que ela conheceu lindos amigos online. Amigos online são os melhores, não são? Não sei enquanto aos seus, mas as minhas amigas ‘virtuais’ são muitas vezes melhores do que as minhas ‘reais’.

Foi tão comovente ver como os pais dela reagiam a isso através dos posts no site/blog que eles fizeram. Eu não sou mãe, mas a minha mãe vive falando o quanto deve ser devastador para os pais perderem um filho, porque essa não é a cronologia da vida. Então, ver os pais da Esther tão esperançosos com tudo, nunca desistindo da filha e depois, quando ela morreu, ficou parecendo que um pedaço deles tinha ido embora – porque realmente foi. Não posso nem imaginar o quanto isso deve ser horrível, devastador e uma das piores coisas que pode acontecer. Principalmente quando esse filho (a) é levado por algo que você não pode fazer nada além de ter fé e orar para que tudo dê certo. Apesar de tudo, ela deixou uma lição de vida para eles e isso... ah, não sei mais o que falar.

Não sei mais o que dizer. O livro é tão positivo, tão altruísta e animador, que eu até esquecia que ela tinha câncer e só lembrava quando o estado dela piorava e ela tina que voltar ao hospital. Mas ela nunca se abatia e estava sempre preparada para o que viesse. Então, livros como esse me fazem ter mais fé na humanidade, na coragem de se agarrar a vida e não deixá-la sair por ai voando sem você.

Apenas seja feliz, e, se você não conseguir ficar feliz, faça coisas que o deixem feliz. Ou fique sem fazer nada com as pessoas que o fazem feliz” – Esther Earl.


Resumindo: eu super recomendo, leiam, leiam, leiam. Sei que minha resenha pode não ter falado nada com nada, me desculpe, mas eu não sou boa em resenhas de livros biográficos e dos quais eu gosto tanto. É isso, espero que tenham entendido alguma coisa, fim.

8 comentários:

Livroterapias disse...

Alguns livros nos pegam de um jeito!
Gosto de biografias em geral e essa é uma das que quero ler em breve.
Que bom que gostou tanto. Os quotes são lindos!
Beijinhos
Rizia - Livroterapias

Raquel Machado disse...


Oi flor,
Adorei o jeito de você expressar sua opinião sobre o livro existem alguns livros que simplesmentes são tocantes demais para descrevermos em palavras e esse parece ter sido um deles. Eu tenho certo receio de livros assim pois acabo me envolvendo demais com a história e no caso de histórias veridicas a coisa fica pior ainda, mas ele parece ser uma linda luta de fé, com certeza vou me preparar e vou querer conhece-la.
Beijos
Raquel Machado
Leitura Kriativa
http://leiturakriativa.blogspot.com.br/

Juliana Kobayashi disse...

oi
estou louca por esse livro, me arrependo de não ter comprado ele (ainda mais agora depois de ler sua opinião), pq gastei mto dinheiro e acho q vai demorar p eu ter a chance de comprá-lo. Enfim, eu fui uma das que chorou feito manteiga quando leu A Culpa é das Estrelas. Quero ler sobre a vida, a família e amigos dessa garota que inspirou John Green e já imagino q qnd for resenhá-lo vou ficar sem palavras como você. Essas situações trazem sentimentos confusos, esperanças, raiva pela perda, amor, saudades... meu pai faleceu de câncer por isso A culpa é das estrelas mexeu mto cmg, imagino que esse livro fará o mesmo. Ótima resenha!!!

tem postagem nova no blog, espero sua visita
bjs

-TÍTULOS DE LIVROS

Ane Reis disse...

Oie Van =)

Ain... não sei se tenho estrutura emocional para ler esse livro ='(

Eu até leio biografias, mas se a ACEDE eu já fiquei destruída, imagina ler a história real.

Só de ler a sua resenha já estou chorando. Não dá... esse livro para mim não dá mesmo...

Beijos;***

Ane Reis.
mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
@mydearlibrary


Cida disse...

Eu acredito que seja mesmo uma bela história, tenho visto a comoção que causa em cada novo leitor, espero ter oportunidade de ler em breve, mas antes preciso ler ACEDE.

Bjos!!
Cida
Moonlight Books

Erica Ferro disse...

Vanessa, minha cara Vanessa, eu PRECISO desse livro, cara. Realmente preciso. Essa moçoila, pelo que tudo indica e por tudo que dizem dela, foi alguém fora de série, alguém extremamente especial, que marcou positivamente a todos que tiveram a chance de conhecê-la. E continuará marcando, agora, por meio de seu livro, que, espero, alcance todo o mundo.
Histórias inspiradoras devem ganhar o mundo, quiçá o Universo.

Um abraço enorme!

Sacudindo Palavras

Amanda Faustino disse...

Preciso ler esse livro e saber como era a vida e a história toda de Esther. Ler algo que foi inspirado nela me deixou com uma vontade imensa de saber mais sobre ela.

Beijos, Mands - Outbreaks.

Janna disse...

Oiii Van, ah com certeza eu irei ler esse livro, como adorei ACEDE não tem como não ler esse, sua resenha foi ótima, conseguiu transmitir toda a emoção que você sentiu no decorrer do livro, parabéns.

Beijos!!!

@jannagranado
http://livrospuradiversao.blogspot.com.br

 
Layout de Giovana Joris