O Doador de Memórias - Lois Lowry.

Título: O Doador de Memórias.
Original: The Giver.
Autora: Lois Lowry.
Editora: Arqueiro.
Nota: 3/5.

Em O doador de memórias, a premiada autora Lois Lowry constrói um mundo aparentemente ideal onde não existem dor, desigualdade, guerra nem qualquer tipo de conflito. Por outro lado, também não há amor, desejo ou alegria genuína. Os habitantes de uma pequena comunidade, satisfeitos com a vida ordenada, pacata e estável que levam, conhecem apenas o presente o passado e todas as lembranças do antigo mundo lhes foram apagados da mente. Um único indivíduo é encarregado de ser o guardião dessas memórias, com o objetivo de proteger o povo do sofrimento e, ao mesmo tempo, ter a sabedoria necessária para orientar os dirigentes da sociedade em momentos difíceis. Aos 12 anos, idade em que toda criança é designada à profissão que irá seguir, Jonas recebe a honra de se tornar o próximo guardião. Ele é avisado de que precisará passar por um treinamento difícil, que exigirá coragem, disciplina e muita força, mas não faz ideia de que seu mundo nunca mais será o mesmo. Orientado pelo velho Doador, Jonas descobre pouco a pouco o universo extraordinário que lhe fora roubado. Como uma névoa que vai se dissipando, a terrível realidade por trás daquela utopia começa a se revelar. (SKOOB)

Esse livro estava na minha mini maratona do final do ano passado para que minha meta de 70 livros lidos fosse alcançada, porém a isso não deu certo, mas pelo menos esse foi um dos livros lidos. Eu não sabia o que esperar dele, nem sei se eu sabia muita coisa da trama quando comecei a ler e acho que isso foi bom para a leitura. Sempre falo isso, nossa, como sou previsível (?).

O livro se passa num futuro distópico, onde as pessoas não sentem dor, não há desigualdades e nem guerras, porém também não há amor ou felicidade genuína. Será que seria um preço justo a pagar para ter paz afinal? É o que o jovem Jonas começa a se perguntar depois que lhe foi designada a profissão de guardião de memórias. Ele tem que proteger o povo do sofrimento dessas memórias e ter sabedoria para amparar os dirigentes desse novo governo em tempos difíceis. Porém, ele começa a descobrir as memórias, com a ajuda do velho guardião, e percebe que eles estão bem sem as coisas ruins, só que junto com isso foram privados de muitas coisas boas. Pouco a pouco, ele começa a ver o quanto essa nova realidade pode ser terrível.

Eu creio que tenho problemas com distopias, não vejo outra explicação possível. Vi bons comentários a respeito desse livro, mas não estava com expectativas elevadas e apenas me deixei levar pela leitura. A trama é interessante apesar de começar a achar que no fundo todas as distopias são a mesma coisa e estava curiosa para saber mais sobre esse mundo novo e o posto de guardião de memórias. O começo foi bem bacana, porém depois que as memórias lhe são apresentadas, acho que a leitura perdeu um pouco o ritmo. Ficou só nisso e eu acabei me cansando um pouco. Também creio que não entendi direito o final, sério, to confusa até agora, não sei se aconteceu o que eu acho que aconteceu ou se interpretei tudo errado. Acontece às vezes, principalmente quando termino o livro à noite (?). Então, isso fez com que a minha leitura não fosse tão boa, o que é uma pena. No geral foi até que legal, então eu também resolvi ser legal e dar três estrelinhas para o livro.

Gostei do mundo criado e fiquei me perguntando se a renúncia dessas coisas boas valeria à pena se o mundo fosse um lugar mais tranquilo, sem violências, somente paz. Ou então se seria apenas uma ilusão, uma falsa paz. Reflitam (?).

Jonas é um bom personagem, mas às vezes achava que ele não seria forte o bastante para aguentar o peso dessa nova responsabilidade. No fim das contas ele até que se saiu bem, eu creio. O velho guardião, que agora é Doador, tenha ir com calma, mandando as memórias aos poucos para não deixar o menino paranoico, principalmente quando se trata de memórias ruins, como guerras. A última pessoa designada para ser o novo guardião não conseguiu cumprir direito com seu dever, então ele tenta fazer as coisas diferentes com Jonas para ver se dá certo dessa vez. A trama se foca mais nele mesmo, eu nem sei o que falaria dos outros personagens.


Resumindo: tem vários pontos que me desagradaram, porém no geral foi uma leitura até que boa, então vou recomendar, mas sem expectativas. Vou tentar assistir ao filmes para ver se consigo gostar um pouco mais. Tem o segundo livro, A Escolhida, que já foi lançado aqui, também pela editora Arqueiro. É isso galera, até, fim.

11 comentários:

Elisa disse...

Eu gosto bastante de distopias, mas ultimamente ando meio enjoada. Acho que é como você falou, no fim a maioria é só mais do mesmo. Quero ler esse livro mais porque to afim de ver o filme e, depois do filme, o livro não vai ter mais graça.

The Fat Unicorn

Nesu-Chan disse...

Eu estou louca pra ler o livro, whatever, me parece interessante, i don't know.

xoxo
Nesu, do UCSE ~ Um Céu sem Estrelas
http://umceusemestrelas.blogspot.com.br/

Jackeline Nuit disse...

otima resenha, gostei do blog <33

http://www.jacknuit.com.br

Amanda Almeida disse...

Oi Vanessa, tudo bem?
Eu ganhei esse livro de aniversário, mas já tinha lido que em determinados momentos a leitura vai sendo um tanto arrastada. Quero ler o livro, mas como você disse, sem muitas expectativas.
Abraços,
Amanda Almeida
http://amanda-almeida.com.br

Luiza disse...

Bom eu fiquei só no filme mesmo, apesar que na época tive MUITA vontade de ler. O filme eu gostei.
Bjs
http://eternamente-princesa.blogspot.com.br/

Ju Goulart disse...

Oi Vanessa, não li esse livro ainda, mas as opiniões em geral foram bem positivas. Acho que você realmente não deve se dar bem com distopias ;x O enredo desse livro me lembrou de Delírio, só que em vez do amor, são as memórias.

Beijos

May Pacheco disse...

Pelo que li da sua resenha o livro é bem parecido com Admirável Mundo Novo. :D FikDik de leitura caso queria ler uma boa distopia ;)

Beijos.

Mari Patrício disse...

Olha só que loucura, eu também tenho problemas com distopias (e eu sinceramente acho que no final são todas parecidas mesmo). Gosto muito das suas resenhas, são sempre sinceras. Haha


Beijos, Mari.
www.papersblood.com

Sil disse...

Eu me interessei em ler esse livro. As distopias que li até agora foram satisfatórias. Pretendo ler ele, mas vou esperar para ver se lançam outra capa hehe. Tenho um problema com capas de filmes. Ainda mais que o segundo livro a capa é diferente.

Blog Prefácio

Vanessa Vieira disse...

Gostei da resenha Vanessa, mas não sei se leria o livro. Não achei a história muito interessante. Beijo!

www.newsnessa.com

Janna disse...

Oi Van =)
Ainda não li, o Rafa leu o livro e também assistiu o filme, pela sinopse eu não criei muitas expectativas e nem muita vontade em ler, mas espero em breve poder ler e conferir a história. Que pena que o final não te agradou.

Beijos!!!
@jannagranado
@lpdiversao
http://livrospuradiversao.blogspot.com.br

 
Layout de Giovana Joris