Leviatã: A Missão Secreta - Scott Westerfeld.

Título: Leviatã - A Missão Secreta.
Original: Leviathan.
Autor: Scott Westerfeld.
Editora: Galera Record.
Nota: 4/5.

Scott Westerfeld, autor da série Feios, reinventa aqui a Primeira Guerra Mundial em uma narrativa steampunk. Em lados opostos, mekanistas lutam com aparatos mecânicos movidos à vapor e darwinistas usam imensos animais geneticamente modificados, e adaptados para a batalha. Alek Ferdinand, príncipe do império austro-húngaro, está sem saída. Perdeu seu título e o apoio do povo, restando apenas um imenso ciclope Stormwalker e um grupo leal de homens. Por outro lado, Deryn Sharp é uma jovem plebeia que se disfarça de homem para ingressar na Força Aérea Britânica. Os caminhos dela e de Alek se cruzarão de maneira inesperada, levando-os a bordo do Leviatã para uma viagem que mudará suas vidas. (SKOOB)

Não, eu asseguro para vocês que esse livro não tem nada a ver com a sétima temporada de Supernatural. Eu sei, sempre penso nisso toda vez que vejo esse título. Mas não tem nada a ver. Para falar a verdade, não esperava nada desse livro e acabei me surpreendendo. Viu, é bom não ter expectativas. Que orgulho de mim mesma.

O livro é uma narrativa steampunk (que confesso, não conhecia muito) e envolve ficção com alguns fatos reais. A Primeira Guerra Mundial está quase para começar. Há dois lados envolvidos nisso: os mekanistas, que tem máquinas super potentes que fazem de tudo, e os darwinistas, munidos com seus animais mutantes maravilhosos. Alek Ferdinand é o príncipe do império austro-húngaro, que é mekanista e mesmo assim se vê sendo perseguido por seus 'aliados'. Deryn Sharp é apenas uma pobre menina querendo entrar para a Força Aérea Britânica, onde só os meninos são aceitos. Onde os caminhos dele se cruzam? A bordo do Leviatã, onde farão uma viagem totalmente inesperada e cheia de surpresas.

Como eu disse ali no começo, o livro me surpreendeu apesar de não ser completamente o meu estilo. Eu sabia um pouco sobre o que se tratava o livro, mas não criei nenhuma expectativa. Li o outro livro do autor, "Feios", e acabei não gostando muito, entretanto resolvi dar uma chance para ele com esse livro. A narrativa é em terceira pessoa e, como já disse, mistura um pouco de ficção do dados reais. Os capítulos se intercalam entre mostrar o lado do Alek e depois no outro sobre a Deryn, até que eles se encontram e tudo fica junto e misturado. Perdeu uma estrelinha comigo pois achei que demorou um pouco para 'engrenar' a trama e fiquei confusa com algumas coisas (sempre fico, o problema sou eu mesmo). Mas de resto foi tudo muito bom. Muitas aventuras e tem uns desenhos super lindos que ilustram tudo perfeitamente.

Sou totalmente team darwinistas, só para esclarecer os possíveis elogios exageros para esse lado da guerra. Os animais modificados por eles são fantásticos e tudo o que eles fazem... poderia ser verdade. Fiquei com um pouco de invejinha deles por conta desse avanço, mas tudo bem. Os mekanistas têm máquinas potentes, só que não conseguiu me encantar. Acho que os dois deveriam se unir e formar animais mecânicos (?) para todo o sempre.

O final me intrigou demais. É uma trilogia, então já esperava que o final fosse assim, mas mesmo assim. Tem mil e uma ideias passando pela minha cabeça agora sobre o que é todo esse mistério. Eu tenho uma alternativa na qual eu aposto forte, porém ainda não sei o que pensar e nem posso dizer aqui para não soltar spoilers. Já estou a espera do segundo livro, tomara que não demore muito. Outra coisa que eu deveria comentar: a capa é linda, super adorei as partes em alto relevo e afins. Muito bonita mesmo.

Os personagens não me cativaram muito já que meus remédios acabaram e minha síndrome resolveu aparecer. Digo, eles são interessantes, mas nada me fez adorá-los. O Alek é um moleque mimado no começo. Seus pais morreram e ele se vê sozinho no mundo, apenas com alguns fiéis seguidores dos seus pais e uma máquina enorme para ajudá-los a fugir. Durante o decorrer do livro ele vai aprendendo mais sobre o que está acontecendo e amadurecendo, sendo extremamente necessário em várias partes do final do livro. Fez algumas coisas muito burras, mas eu ainda tenho fé nele. A Deryn é uma girl on fire. Ela vai atrás do que quer, mesmo que algumas mentirinhas básicas tenham que ser contadas no meio do caminho. Achei ela bem mais interessante do que o Alek, então acabei gostando um pouco mais dela. Outros personagens aparecem na história, é claro, mas preferi falar apenas deles dois. Não preciso falar mal de todos, né? Só saibam que eles são importantes e desempenham um papel na história, nenhum é tão inútil assim.

Resumindo: o livro é surpreendente e eu gostei, espero pelo segundo volume para saber quais as outras aventuras que esperam por eles. É isso ai, fim.

7 comentários:

Livroterapias disse...

Não conhecia esse livro!
Adorei a resenha!
Boa dica!

Beijinhos
Rizia - Livroterapias
http://livroterapias.blogspot.com.br/

João Victor disse...

Oi ..

Ganhei o livro de aniversário e confesso que o mesmo é mesmo bonito. Só achei que, por ser um título muito especial, poderiam ter usado páginas amarelas, enfim.

Acho que nunca li steampunk, mas deve ser diferente. A história parece ser bem legal. Interessante.

E sim, é mesmo bom não criar expectativas, rs.

Ótima resenha!

João Victor - Amigo do Livro
http://amigodolivro.blogspot.com.br/

Aione Simões disse...

Oi Van!
Ainda não tive muita vontade de ler esse livro, mas acho que estou começando a me interessar, parece interessante!
Eu adorei Feios, até estranhei eu não ter sentido tanta vontade de ler esse...
Beijão!

Enfim Shakespeare disse...

O livro parece mesmo ser surpreendente, não conhecia a história e achei bem interessante.

http://enfimshakespeare.blogspot.com.br/

Princess Teens * disse...

Me parece ser bem legal este livro. Espero ler mais pra frente.

Beijos, Juliana.
http://bloggirlpop.blogspot.com.br/

Julia G disse...

Ei Vanessa, eu estou bem curiosa para ler esse livro, principalmente porque gostei bastante dos outros livros que li do autor.
Pena que o título dele não me lembre essa série que você citou, e sim um clássico do Hobbes que fui obrigada a ler semestre passado... Estou curiosa para ler a ligação entre ambos.

Beijinhos

Paloma disse...

O livro parece ter um bom potencial!
Eu acho que ia gostar, mas eu não leio muito )=

Beijos, Paloma
http://espelhomeu-espelho.blogspot.com.br/

 
Layout de Giovana Joris