Garota Exemplar - Gillian Flynn.

Título: Garota Exemplar.
Original: Gone Girl.
Autora: Gillian Flynn.
Editora: Intrínseca.
Nota: 3.5/5.0

Uma das mais aclamadas escritoras de suspense da atualidade, Gillian Flynn apresenta um relato perturbador sobre um casamento em crise. Com 4 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo – o maior sucesso editorial do ano, atrás apenas da Trilogia Cinquenta tons de cinza –, "Garota Exemplar" alia humor perspicaz a uma narrativa eletrizante. O resultado é uma atmosfera de dúvidas que faz o leitor mudar de opinião a cada capítulo. Na manhã de seu quinto aniversário de casamento, Amy, a linda e inteligente esposa de Nick Dunne, desaparece de sua casa às margens do Rio Mississippi. Aparentemente trata-se de um crime violento, e passagens do diário de Amy revelam uma garota perfeccionista que seria capaz de levar qualquer um ao limite. Pressionado pela polícia e pela opinião pública – e também pelos ferozmente amorosos pais de Amy –, Nick desfia uma série interminável de mentiras, meias verdades e comportamentos inapropriados. Sim, ele parece estranhamente evasivo, e sem dúvida amargo, mas seria um assassino? Com sua irmã gêmea Margo a seu lado, Nick afirma inocência. O problema é: se não foi Nick, onde está Amy? E por que todas as pistas apontam para ele? (SKOOB)

Ok, vou assumir para vocês que esses thrillers psicológicos me deixam com um pouco de medo. Eles falam muito sobre a realidade. Meu lance são as ficções, coisas de mentirinha. Porém, eu gosto deles, são bem interessantes de serem lidos e te deixam com a pulga atrás da orelha. Quando comecei a ler Garota Exemplar, eu sabia que esse livro me enganaria de alguma maneira. Sabia que eu iria pensar em uma possibilidade de rumo para o livro e na verdade aconteceria outra totalmente diferente. Mas teve um problema: dessa vez eu acertei parcialmente o que iria acontecer e... não me surpreendeu tanto. Sou problemática, não sei porque faço essas coisas (?).

Garota Exemplar fala sobre um casal que estava completando cinco anos de casado, Nick e Amy. Justo nesse dia tãão especial para ambos, a esposa acaba desaparecendo misteriosamente. A casa está revirada e nem um sinal dela. Com o passar das páginas vemos que Nick parece um tanto suspeito por várias coisas que acaba fazendo. Será que ele foi mesmo o responsável pelo desaparecimento da amada? Se não foi ele, quem poderia ter sido? Muitas loucuras, muitas mentiras e pessoas mentalmente instáveis. Pronto, é basicamente isso.

Eu vou relatar aqui a minha relação de amor e ódio com esse livro. Comecei a ler super ansiosa, parecia ser misterioso, cheio de mistérios e coisas estranhas. Adoro livros assim, tipo, estranhos. O começo é legal. As narrações são intercaladas entre o Nick e a Amy, as dela sendo tiradas de um diário que mantinha. Também é divido em três partes, que eu aconselho vocês a não lerem o nome dessas partes até chegarem nelas. A narração é boa, os personagens são bem construídos e tem tudo para uma trama ser enigmática e real. Só que depois de todo o 'onde está a Amy? E porque Nick parece tanto suspeito', o livro acaba ficando um pouco morno. A polícia vai investigando, Nick vai seguindo a suas próprias pistas também e tudo vai ficando na mesma.

Eis então que chega a segunda parte do livro, que larga uma bomba na nossa cara. Acho que a maioria das pessoas já suspeita do que vai acontecer no decorrer do livro, eu já esperava algo assim, mas fiquei surpresa mesmo assim. Até aquele ponto estava dando cinco estrelinhas fácil para o livro. Pensei até nas possíveis resenhas que poderia fazer para ele tenho essa mania estranha e preciso me livrar dela, não me faz bem. Só que ai o livro começa a ficar morno novamente, com alguma elevação de temperatura uma vez ou outra, porém nada que me fizesse manter minha nota inicial. O final foi super estranho, não gostei. Achei que o livro merecia algo diferente do que aconteceu. Algo mais 'ahá, te enganei, aqui está, toma na cara leitor' teria sido o que eu esperava.  Tudo bem, não pode se agradar a todos.

Não deixa de ser bom, me entendam, só não é maravilhoso. É uma leitura boa, agradável e que nos faz pensar nas pessoas que vivem conosco. Acho que nunca vamos conhecer todos os detalhes das pessoas, mesmo que pensamos que sim. A mente é uma inimiga perversa, vou te contar. Esse livro mostra bem isso, como as pessoas tem sérios problemas mentais e que não é culpa delas ou é. Não é culpa de ninguém, apenas acontece. Pode acontecer comigo, com você, com seus pais, seus amigos, professores. Todo mundo pode virar um psicopata louco, essa é a verdade. Ou não, talvez só esteja falando coisas sem nexo. Mas voltando ao livro, podemos ver claramente que as mentiras destroem tudo e a todos. Um exemplo: Pretty Little Liars! Elas só se dão mal gente, não sigam o exemplo delas.

O livro tem umas partes fortes, algumas palavras bem vulgares e não é exatamente o tipo de livro que eu queria ver minha irmã lendo antes dos 18 anos (talvez nem antes dos 20, então nem ouse tocar nesse livro, sister). Isso não me incomoda nos livros, mas achei melhor avisar já que sei que algumas pessoas não gostam tanto e afins. Pronto, já avisei, vamos para o próximo tópico.

Os personagens são um ponto forte do livro. Achei os principais bem desenvolvidos. Gostei de como a autora soube mudar a personalidade deles de um ponto para o outro. Eles conseguem te enganar e te manipular. Nick e Amy são um enigma para mim até agora. Não sei o que se passa pela cabeça dessa casal maluco. Nem posso falar muito sobre eles sem dar spoilers, já que o livro é basicamente centrado nessa personalidade deles, quem está mentindo e quem está falando a verdade. Ainda tem a Go, irmã gêmea do Nick, que aparece bastante no livro sempre apoiando ele ou então dando um puxão de orelha quando necessário. Os pais da Amy me pareceram aquelas pessoas que gostam de ganhar dinheiro em cima dos outros - ou seja, da própria filha. Eles escreveram uma série de livros cujo nome era 'Amy Exemplar'. Coitada da menina, que pais são esses! Apesar de tudo, são todos bem construídos e tem sua própria personalidade. Gostei. Minha síndrome não tem aparecido, estou muito feliz, o blog é minha terapia (?).

Resumindo: o livro é bom, trama boa, personagens bons... só que não me surpreendeu muito. Talvez eu assista séries policiais demais, então acabo criando várias teorias em minha cabeça e dessa vez a que eu mais apostava estava certa. Eu recomendo sim, apesar de tudo. Foi uma boa leitura, me deixou um pouco mais surtada em relação as pessoas e passei boas horas lendo e criando essas teorias. É isso, mais nada a declarar. Fim.

5 comentários:

Sofia disse...

Oi Vanessa! Só li 3 comentários até agora a respeito do livro, e me parece realmente um livro que faz pensar muito em quem você convive rsrs!
Sei como é isso de 'assistir séries policiais demais' haha só que comigo são livros, já que não tenho costume de assistir séries!

Beijos

Aione Simões disse...

Oi Van!
Eu, ao contrário de você, adoro quando o livro tem cara de realidade hehe... Acho que me envolve exatamente por parecer ser possível!
Uma pena que o livro não te surpreendeu, odeio quando isso acontece também (apesar de me sentir o Sherlock Holmes quando descubro antes), mas ainda assim estou muito curiosa pra fazer essa leitura!
Beijão!

Ane Reis disse...

Oie Van!

Bem eu não gosto desse tipo de livro, justamente por que sei que vou ficar com medo XD

Além do mais eu já sou paranóica em relação as pessoas então se começar a ler livros assim ai que piro mesmo kkkk

Ótima resenha linda!

Beijos e um ótimo domingo para você =)
anereis.
mydearlibrary | bookreviews • music • culture
@mydearlibrary

Amanda Cristina disse...

Oi Van! Ainda não sabia muito bem sobre o que se tratava o livro, por isso nem tinha me interessado, mas sua resenha me deixou com certa curiosidade para lê-lo.
Gosto de livros narrados no estilo "ele disse, ela disse". Sempre fico do lado de um personagem e às vezes quebro a cara! Hahahaha
Então, também não gosto de livros que a gente prevê e acontece. Fica muito chato, como se o autor não conseguisse imaginar algo melhor para aquilo, né? Gosto desses que mostram um lado totalmente impensável pra gente! :P
Gostei bastante da resenha! Gosto de livros assim, mas também acredito que não vá estar entre meus favoritos, rs

Beijinhos!

Marcelle Dantas disse...

Ah, também tenho medo, e prefiro as coisas de mentirinha, com certeza!! Tenho esse livro aqui, e receio elevado a mil, pra ler! A sua resenha me falou o que eu precisava saber, e vou ler o livro. Mas quando o meu psicológico estiver tinindo de bom, só.. rs

Beijos,

Celle
bestherapy.blogspot.com

 
Layout de Giovana Joris